Oeste da Bahia

Quase quatro milhões de hectares de vegetação nativa continuam intocados na região oeste da BA

Estudo analisou total de 11,6 milhões de hectares de terra, e concluiu que, cerca de 2,3 milhões de hectares, são exclusivamente de reserva legal.

Quase quatro milhões de hectares de vegetação nativa da região oeste da Bahia, principal polo agrícola do estado, continuam intocados, aponta um estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa).

A pesquisa analisou um total de 11,6 milhões de hectares de terra, e concluiu que, cerca de 2,3 milhões de hectares, são exclusivamente de reserva legal e 64% da biodiversidade local são preservadas pelos agricultores.

Ainda segundo a Embrapa, boa parte desses números são resultados de inciativas e apoios dos próprios agricultores nos últimos 10 anos, desde quando passaram a trabalhar em parceria com órgãos ambientais e poderes públicos para garantir a política de preservação da biodiversidade da região.

Aplicação de modernas tecnologias, ações de impacto para preservar a vegetação e os recursos hídricos, “barraginhas” para contenção da água das chuvas são ações desenvolvidas entre as parcerias no local.

A utilização dos recursos hídricos de forma legal, evitando o desperdício ou o uso desnecessário de água na plantação, é um outro tipo de ação comum pelos agricultores. Do total de 2,6 milhões de área plantada, 180 mil são irrigados. Ou seja, somente 8% são irrigados.

Estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) analisou um total de 11,6 milhões de hectares de terra. — Foto: Reprodução / Bahia Rural

Estudo da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) analisou um total de 11,6 milhões de hectares de terra. — Foto: Reprodução / Bahia Rural

Sobre o autor

Amilson Rodrigues

Bacharel em Economia com Pós-graduação em Administração Financeira, MBA Executivo em Mercado de Capitais, apaixonado por comunicação e novas tecnologias. Especialista em Plataforma Worpress, SEO (Otimização para sites de Busca) e Marketing Digital e também sou apaixonado por histórias e por isso eu repito quem não tem história não tem vida. E quem não tem vida, vive em guerra consigo.